Conectado com

Hoje: 4 anos do tornado em Marechal Cândido Rondon!

Cotidiano

Hoje: 4 anos do tornado em Marechal Cândido Rondon!

RELEMBRAMOS A REPORTAGEM PUBLICADA HÁ DOIS ANOS, NA EDIÇÃO DE NOVEMBRO DE 2017… MAS, SEMPRE ATUAL, POIS A DATA MARCOU A HISTÓRIA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON… DEUS SEJA LOUVADO POR CADA LIVRAMENTO!

 

“…Não se entristeçam, porque a alegria do Senhor os fortalecerá” Neemias 8:10

Uma quinta-feira que parecia ser normal em Marechal Cândido Rondon. 19 de novembro de 2015. Tempo bom, pessoas trabalhando, crianças estudando em suas escolas, já se preparando para o fim do ano. Mas, por volta das 16h20 tudo mudou!

Só quem presenciou aqueles minutos terríveis em que um tornado atingiu parte da cidade, é que pode contar e entender a dimensão da força da natureza! Foi algo realmente assustador e até difícil de acreditar que estava acontecendo!

Eu, Kelli (diretora da Revista Paz), estava no “olho do furacão”, como diz o ditado. Foi uma experiência muito tensa, mas que pude ver o poder da oração e de Deus em minha vida e minha família. Estava grávida de pouco mais de um mês, trabalhando no escritório que fica em nossa casa, quando repentinamente, ouvi os vidros da sacada do nosso quarto batendo tão forte que pareciam tiros… foi muito alto… não entendi o que estava acontecendo, mas subi para ver… os móveis do quarto estavam se mexendo com a força do vento; olhei pra fora e vi árvores enormes sendo arrancadas e simplesmente voando do chão… sim, voando! Elas não caíam… voavam! Eram arremessadas a metros de distância! A terra parecia que se mexia… então, me ajoelhei e orei com muita fé, para que Deus cuidasse de nós… e de toda a cidade… para que acalmasse aquele vendaval (que eu nem imaginava que se tratava de um tornado), e que guardasse as vidas. Sei que o Senhor ouve o nosso clamor e assim como eu, centenas de pessoas oraram naqueles momentos, pedindo livramento… e graças a Ele, realmente, tudo passou… e apesar dos enormes danos materiais que boa parte da cidade teve, poucas pessoas tiverem ferimentos e todas as vidas foram guardadas!

A tristeza veio. Pessoas sem casas! Escolas, igrejas, diversas construções ao chão! Mas, foi lindo de ver a solidariedade. Uma união e amor ao próximo sobrenatural. Quem não teve sua casa atingida, foi ajudar. Quem teve, quando via que a casa do vizinho estava pior, deixava a sua e ia ajudar. E em meio a tudo isso, Deus agiu com Seu poder! Por mais que muitos tiveram enormes prejuízos materiais, agradeceram ao Senhor pela vida!

E hoje, dois anos depois, trazemos uma reportagem especial para mostrar o poder de Deus que, mesmo diante das dificuldades, está sempre conosco… e que é o Único digno de todo louvor e adoração… tudo é Dele, por Ele e para Ele!

A cidade foi reconstruída. A ajuda veio de todo lado. E com a bênção do Senhor e o sentimento de solidariedade e otimismo, tudo foi voltando ao normal… e o povo ficou mais fortalecido e grato! “Respondeu Jesus: ‘Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento’. Este é o primeiro e maior mandamento. E o segundo é semelhante a ele: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas”. Mateus 22:37-40.

Confira relatos emocionantes nesta matéria especial.. e agradeça a Deus por esse livramento e por todas as bênçãos que Ele derrama em sua vida!

 

Uma igreja ao chão… e vários livramentos do Senhor!

A 2ª Igreja do Evangelho Quadrangular (IEQ) de Marechal Cândido Rondon, foi fundada em 08 de novembro de 1997. Durante três anos, ficou instalada na Avenida Rio Grande do Sul. Em 2000, foi para o local atual, em um pré-moldado. Em 2006, iniciou-se a construção, que foi lenta devido à necessidade de levantar os recursos financeiros. “Em 2015, estava tudo planejado para fazer a grande inauguração, com culto e almoço festivo dos 18 anos da igreja. Mas, no dia 19 de novembro, veio o tornado e levou tudo ao chão”, relembram os pastores Vilmar e Leide Mari Vorpagel.

Eles explicam que naquele dia, estava programado para muitas pessoas estarem trabalhando no templo mas que, graças a Deus, só tinham quatro pessoas no momento do tornado, as quais receberam livramento do Senhor Deus. “Ao ver os escombros, tivemos a sensação de impotência, devido aos prejuízos financeiros e os longos anos de trabalho. A partir daí, vimos vários gestos de generosidade, que vieram dos vizinhos, familiares, amigos, membros e não membros de várias localidades”, destacam.

A pastora Leide relembra que a comunidade se entristeceu, mas não se abateu! “Fomos para a oração! Vieram pessoas nos consolar e elas nos viram de cabeça erguida; recuperamos alguns poucos objetos e passamos a auxiliar os lares de membros e não membros que tiveram muitas perdas”, enfatiza.

Ela conta que Deus usou uma criança de seis anos, chamada Natália, para lhe consolar. “Foi a primeira voz que eu ouvi, depois que muitas já haviam falado; estava atônita, parecia irreal tudo o que estava ao alcance dos meu olhos. Então, ela me abraçou e disse que eu deveria chamar as pessoas, que elas iriam me ouvir e ajudar a levantar a igreja novamente”, relembra emocionada.

 

“Te louvarei, não importam as circunstâncias…”

Momentos muito marcantes para toda a comunidade foram as celebrações de cultos em meio aos escombros… entre tanta destruição, pessoas oraram e louvaram a Deus pelas vidas. “No domingo, dia 22 de novembro, fizemos um culto, para receber nossas lideranças. Chamamos alguns irmãos e cantamos, oramos, choramos em meio aos escombros. Desta atitude, fizemos um vídeo que teve alcance mundial, através da internet. O Espírito Santo nos confortou com o louvor ‘Te louvarei, não importam as circunstâncias, adorarei…’ e nos falou claramente: RECONSTRUÇÃO!  Daí começamos a declarar: ‘Nós vamos reconstruir’ e encontramos embasamento bíblico em Neemias 2:20: ‘O Deus dos céus… êxito… e nós reedificaremos’”, relata.

Na segunda-feira, dia 23, foi realizado um “Culto de gratidão a Deus pela vida”.

 

Adversidades? Experimente louvar!

A pastora conta que a comunidade se levantou ainda mais fortalecida, com o lema: “Nós vamos reconstruir”… e foi o que aconteceu. “Nossa sede estadual e nacional se mobilizaram na abertura de uma conta “SOS Marechal” e foram arrecadados os recursos; partimos para um novo projeto e para agilizar, recebemos um pré-montado. Rapidamente, tivemos a igreja reconstruída, para glória de Deus e ainda com uma metragem maior. Ageu 2:9: ‘A glória desta última casa será maior do que a primeira, diz o Senhor dos Exércitos; e neste lugar, darei a paz’”, ressalta.

Assim, com muita fé e união, a igreja foi reconstruída. “Nossas paredes caíram, mas nossa Fé foi fortalecida e continuamos a caminhada firmes e constantes, olhando para JESUS, nosso amado SALVADOR, o amigo FIEL, que não nos abandona. Diante das adversidades? Experimente LOUVAR”, finaliza.

 

Momentos de pânico!

Outro local bastante afetado pelo tornado foi a Escola Municipal Waldomiro Liessen. As crianças, professores e toda a equipe do educandário, viveram momentos de muito medo. A diretora Marlene Custódio Maciel Cunico, pedagoga e diretora desde 2014, destaca que, no ano de 2015, a Escola contava com 320 alunos e cerca de 175 no período vespertino. “Naquele dia, houve reunião com coordenação e direção na prefeitura; assim, foram repassados alguns recados na hora do intervalo, às 15h45 e o recreio foi prolongado por uns dez minutos. Todos os alunos estavam na quadra com duas zeladoras. Resolvi deixar a coordenadora finalizar os recados e fui dar o sinal para ensaiar para a cantata natalina pelas 16h10. Quando bati, segurei por mais tempo o sinal, para que todos ouvissem. Por alguns minutos, as crianças entraram e começou a ventar muito forte! Quando os professores perceberam o que estava acontecendo, levaram os alunos para as salas com laje. Eu, a zeladora e uma professora tentamos fechar a porta de entrada do saguão, orando um Pai Nosso no desespero… parecia que o vento ia estourar os vidros da porta”, relembra.

 

Um verdadeiro milagre!

Marlene conta que, quando tudo acalmou, é que perceberam o grande livramento que passaram! “Não teve como não se emocionar. O telhado da quadra todo no chão, muro caído, árvores arrancadas… e graças a Deus, nenhum ferido”, ressalta agradecida.

Os pais foram assustados buscar seus filhos. “Os professores foram acalmando os alunos e direcionando aos pais. O Jardim Marechal foi muito atingido. A Escola suspendeu as aulas por uns dias, para as reformas. A psicóloga fez um trabalho com alunos e os funcionários. Após o acontecido, observou-se algo muito lindo entre as pessoas envolvidas e de fora: houve muita solidariedade: o espírito de união sobressaindo a tanto estrago”, enfatiza.

 

Gratidão a Deus

A diretora relata que foi uma véspera de Natal muito linda, apesar de tudo. “Professores se empenharam nos enfeites de Natal, amigos da Escola trouxeram o Papai Noel com doces e brinquedos. Quem presenciou o tornado, nunca esquecerá… em poucos minutos, tanta destruição! Agradeço eternamente a DEUS pelas crianças não serem atingidas… foram cinco minutos que fizeram a diferença… Deus providenciou tudo no tempo certo, para que elas não estivessem na quadra quando desabou. Foi um grande milagre”, finaliza.

 

Cadastre-se!

A Defesa Civil conta com um serviço de envio de SMS gratuito de alertas de riscos de desastres. Para se cadastrar, basta enviar para 40199 o seu CEP de interesse.

 

Relatos emocionantes!

“Naquele dia, eu estava em viajem, mas minha esposa e filhas ficaram em casa. Meu sócio, que estava comigo, pediu para eu ficar calmo, pois tinha uma notícia não muito boa para dar. Fiquei ‘travado’, achei que se tratava de alguma morte, mas aí ele relatou que houve um tornado em nossa cidade e que pegou em cheio a região da minha casa, a casa dele, entre outras de amigos. Liguei pro meu pai, consegui falar brevemente com ele e minha esposa e filhas estavam abrigadas na casa dele, pois nossa casa havia sido destruída. Voltei no dia seguinte, foram momentos em que até ver minha família, a preocupação só aumentava. Ao chegar, minha família estava bem, mas as lágrimas e abraços apertados fizeram parte deste reencontro. Não tinha ido ainda para minha casa, nem passado pelo centro, mas minha esposa relatou que estava tudo destruído. Era melhor saber antes de ver. Nossa casa não tinha laje. Minha família estava na casa da sua mãe, que fica ao lado. Em dado momento, minha filha mais velha começou a fechar as janelas da casa da minha sogra, dizendo ‘vai chover’… alguns minutos após, minha esposa olhou para fora e viu as telhas da nossa casa voando e dentro da casa da minha sogra o barulho começou a ficar ensurdecedor. Correram para o closet e colocaram nossa caçula de 40 dias de vida dentro de uma das gavetas do guarda-roupas; todas se ajuntaram em um pequeno espaço e oraram. Em poucos minutos, tudo passou; foram para fora e estava tudo destruído. Segundo a Defesa Civil, nossa casa foi uma das mais avariadas. Basicamente, só sobrou as paredes da estrutura da casa, perdemos muitos objetos, mobília, eletrodomésticos… não foi fácil. Mas, para mim, o que mais importou foi que minha família saiu desta sem nenhum arranhão, com as vidas preservadas por Deus. Nossa casa ainda não está terminada. Aos poucos, vamos reconstruindo. Agradeço a todos que nos ajudaram”.

André Arndt

 

“Ao subir em uma árvore para tirar os cabos arrebentados da rede de energia, me deparo com um pedaço de telha cravado no seu tronco. Tentei tirar e nada. Estava cravado de tal forma que mesmo fazendo força não saiu. Pensei em quantos desses cacos de telha passaram voando perto das cabeças durante o vendaval. Qual análise você pára pra fazer depois de tal acontecimento? Não tenho medo de um pedaço de telha desses cravando em minha cabeça, pois se isso acontecer e eu morrer, sei que minha vida está nas mãos de Jesus Cristo e sei pra onde vou. Não penso em morrer, mas sim, em viver. Temos muitas coisas pra fazer entre um furacão e outro. O que temos feito de nossa vida? As duas palavras mais ouvidas nos vídeos feitos do furacão foram ‘MEU DEUS’. Vamos envocar o Seu Nome todos os dias, seja qual for a situação e sempre com o devido respeito e assim, os pedaços de telhas poderão cravar com tranquilidade em qualquer cabeça que tem Jesus Cristo como único Salvador da sua vida. E você, não seja um tornado na vida dos outros, lançando ‘cacos’. Eles podem não furar a cabeça de ninguém, mas causam sérios danos. O que estou fazendo de errado? Se a resposta sobre suas atitudes for ‘nada’, ótimo. E então, cuide com o que está fazendo com o Meio Ambiente. Deus nos deu ele para cuidarmos. Esse acontecimento trágico pode ser reflexo de uma atitude que está tendo e não se deu conta. Reflita e busque informações sobre esse cuidar”.

Cristiano Metzner

 

“Que terror o que passamos… estava fazendo compras no supermercado e tive que me esconder em baixo de um caixa eletrônico para proteger as minhas filhas Sarah e Lena do gesso que começou a cair… as portas tiveram que ser fechadas e seguradas por vários homens… via pessoas desesperadas querendo entrar… muita gente chorando, algumas no chão… depois de tudo isso, a gente vê quão frágeis somos e como devemos estar preparados… saber que Deus nos protege é maravilhoso… a Sarah (com 9 anos na época), orava alto enquanto pessoas gritavam… ensinar e saber que minhas filhas confiam mais no Senhor Jesus do que em mim mesma é maravilhoso. Como a Sarah falou: ‘eu acho que Deus quer falar com a gente, estamos fazendo coisas erradas’”.

Aline Hort

Cotidiano
Informações gerais

Continuar Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Cotidiano

Para o Topo