Conectado com

Irmão Mehdi: um ex-muçulmano que teve a sua vida totalmente transformada por Jesus!

Capa

Irmão Mehdi: um ex-muçulmano que teve a sua vida totalmente transformada por Jesus!

“O tempo está cumprido, e o Reino de Deus está próximo. Arrependei-vos, e crede no Evangelho”. Marcos 1:15

 

Você ama a Deus de verdade? Proclama a Sua Palavra livremente? Vai aos cultos e celebrações em alguma Igreja da sua cidade? Participa de alguma “célula” ou “pequeno grupo” com irmãos que compartilham da mesma fé que a sua? Conversa com seus amigos e familiares sobre o que o Senhor tem feito em sua vida? Lê a Bíblia, livros cristãos e a própria Revista Paz?

Se você faz ou entende que pode fazer isso tudo livremente, sem punições, percebe que é alguém privilegiado?

Um em cada nove cristãos no mundo vive em uma área ou cultura em que o cristianismo é ilegal, proibido ou punido, de acordo com o relatório sobre a perseguição global, publicado neste ano de 2019, pela Missão Portas Abertas. Isso representa um aumento de 14% em relação ao ano anterior. Nos últimos 27 anos, a organização tem publicado a Lista Mundial de Perseguição, um indicador global de países onde os direitos humanos e religiosos estão sendo violados, e os países mais vulneráveis à agitação social e à desestabilização. Durante o período reportado pela Lista Mundial de Perseguição 2019, nos 50 principais países, um total de 1.266 igrejas ou edifícios cristãos foram atacados; 2.635 cristãos foram detidos sem julgamento, sentenciados e presos; e 4.136 cristãos foram mortos por razões relacionadas à fé. Em média, são 11 cristãos mortos todos os dias por sua fé.

Você tem ideia do que isso representa? E teria coragem de seguir a Jesus e defender a sua fé se vivesse em meio a uma realidade dessas?

O nosso entrevistado desta edição é um exemplo de uma situação semelhante: Irmão Medhi é um ex-muçulmano que conheceu Jesus e teve a sua vida totalmente transformada… em todos os sentidos!

Tivemos a alegria de conhecê-lo e fazer uma entrevista durante a Conferência Impacto 2019, realizada em Marechal Cândido Rondon, pela JUMAP (Junta de Mocidade e Adolescentes da Convenção Batista Pioneira). Agradecemos o apoio e esforço de diversos irmãos para que pudéssemos realizar esse trabalho, em especial à Karine e ao Thiago. E ao próprio Mehdi, que nos atendeu de maneira muito especial, com atenção, simplicidade e simpatia.

Confira essa reportagem e seja também transformado pela Palavra Viva!

 

O início da transformação…

Irmão Mehdi é natural do Marrocos. Ele professava o islamismo, religião oficial do país. Lá, inclusive, é proibido ter bíblias e acesso livre à Palavra de Deus. Mas, como o Senhor é soberano e alcança quem Ele quer, da forma e local que preferir, Mehdi foi tocado de maneira sobrenatural!

Ele nasceu na família real, uma das mais religiosas do seu país. Seu pai ainda é um dos líderes mais influentes daquela nação, tendo, inclusive, ajudado a criar as Leis (uma delas determina que se um muçulmano falar de Deus para outro muçulmano será preso pelo período de cinco anos).

Mehdi teve acesso à educação nos melhores centros de ensino. E quando foi fazer o seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) em Teologia do Islamismo, dentro de uma universidade, em sua cidade natal, Rabbat, que é a capital do Marrocos, recebeu uma Bíblia, a fim de fazer comparações com o Alcorão. As universidades islâmicas são os únicos órgãos autorizados a terem Bíblias em seu acervo literário, justamente para que os estudantes possam elaborar trabalhos criticando as escrituras cristãs.

Seu professor indicou o Livro de Lucas e o Alcorão, com a meta de fazer dez pontos entre o cristianismo e o islamismo. E foi aí que Deus iniciou a Sua obra: enquanto o objetivo era criticar a Bíblia, literalmente “falar mal” do Evangelho, o que aconteceu foi exatamente o contrário! O Espírito Santo se revelou na Palavra! “Comecei a ler um versículo e Deus falava comigo de outra forma toda vez que relia… diante dessa situação, fui perguntar esclarecimentos ao meu pai, mas ele sempre dizia que o procurasse outra hora. Tinha um amigo na sala com meu pai, que me fez uma advertência: ‘cuidado que esse livro fez lavagem cerebral em muita gente’! O tempo passou e esse amigo hoje é o meu pastor. Nosso Deus é soberano. O nosso Deus não é lógico! Às vezes, Ele faz coisas que a gente não consegue imaginar: quem imaginaria um muçulmano, filho da maior autoridade religiosa do país, não na rua, não na Europa, não na igreja, mas dentro de uma universidade do islamismo, sendo impactado pela Bíblia?”, destaca.

Ele conta que sua fé começou a aumentar ainda mais quando fez uma entrevista com um pastor em Londres, na Inglaterra, para o TCC. Sentiu firmeza em suas palavras e nas suas atitudes como homem de Deus; foi aí que a fé começou a crescer cada vez mais na sua vida. E cada dia, a cada leitura da Bíblia, Deus foi falando mais com ele. “Após a minha conversão, fiquei cerca de um ano no Marrocos sem falar absolutamente nada a respeito com a minha família. A sensação de estar vivendo sozinho dentro de uma comunidade que pensa totalmente diferente de você é desesperadora, causa medo! Só Cristo para nos dar graça para suportar uma realidade dessas. Quando conheci esse pastor de Londres, ele me deu o contato de uma igreja subterrânea em Marrocos e neste um ano calado, frequentava cultos escondidos, todas as sextas-feiras. No Marrocos, o Cristianismo é proibido por Lei, não é reconhecido pelo governo, sendo que o marroquino que se declara crente em Jesus pode ter sua vida ceifada! Você falar de Jesus pode custar a sua vida lá”, destaca.

Mehdi explica que existem missionários de outros países entrando com plataformas de trabalhos sociais e outras atividades, para conseguir visto e continuar no país. “São enviados para evangelizar, mas de forma escondida. Lembro de amigos que se reuniam nos fundos de um lava jato, para fazer cultos de 45 minutos e não chamar a atenção. No Marrocos, o islamismo faz parte da Constituição Federal: um líder religioso de mesquita, por exemplo, é sustentado pelo governo. Qualquer outra religião é proibida”, relata.

 

O momento da Verdade!

Mehdi conta que sempre teve muito respeito pelos seus pais e seguia seus caminhos. “Sempre respeitei muito o meu pai. Nunca levantei a voz contra ele… fui aquele menino que passava do perfume do pai para se parecer com ele. O nosso relacionamento era muito precioso, mas chegou o momento de confrontá-lo. Todo ano, é realizada a festa do cordeiro: o muçulmano compra um cordeiro para sacrificar, comemorando a história de Abrão e Isaac… como primogênito, era normal que meu pai pedisse para que eu sacrificasse o animal: tinha que colocar o cordeiro na direção de Meca e matar. Naquele dia, tive coragem de olhar em seus olhos e dizer: ‘pai, o senhor não está entendendo o que está acontecendo comigo! Não preciso mais sacrificar cordeiro algum, porque o Meu cordeiro já foi sacrificado e crucificado há 620 anos antes do islamismo… e Ele se chama Jesus Cristo de Nazaré!’ Meu pai, que é diabético, entrou em crise e caiu no chão! Minha mãe, começou a chorar e dizia: ‘por que você está fazendo isso?’ Minhas irmãs ficaram paralisadas, encostadas na parede e não entendendo absolutamente nada… como até hoje não entendem”, relata.

 

Asilo no Brasil

Diante da situação, Mehdi foi expulso do país, considerado traidor da pátria e da religião pelo governo marroquino, não podendo voltar pra lá devido à perseguição religiosa e séria ameaça de morte. Ele veio ao Brasil para pedir asilo religioso, tendo inclusive, dois anos de escolta da Polícia Federal. Mas, por que o Brasil? Irmão Mehdi explica que não ficou na Europa porque o pastor que era amigo do seu pai começou a ser perseguido lá e grande parte da sua família vive em países daquela localidade. “Inclusive, tenho tios embaixadores do Marrocos na Europa. Então, meu pastor e eu decidimos procurar asilo em um lugar longe, onde não houvesse nenhum familiar. Oramos muito e veio o Brasil! Foi a primeira vez que ouvi a palavra Brasil na minha vida: 48h antes de vir pra cá! O pastor entrou em contato com um colega pastor daqui e deu certo para vir. Atualmente, sou vice-presidente da Missão Evangélica Árabe do Brasil”, destaca.

 

Um alto preço…

Mehdi se converteu aos 20 anos e está há sete no Brasil, tempo em que não vê sua família. “Tive o privilégio de encontrar minha mãe, no ano passado, em algum lugar do mundo. Foi um tempo muito precioso. Pago um alto preço por seguir a Jesus: perdi minha família, meus amigos… mas, nunca vou me arrepender disso! O Evangelho muda radicalmente o seu modo de pensar e de viver! É um privilegio enorme viver para Jesus! Quando me converti, entendi, automaticamente, que sou um missionário nato. A partir do momento que o Senhor salvou a minha vida, logo após a minha conversão, entendi literalmente qual o meu papel nessa Terra: pregar, falar Dele, com meu povo, com outros povos… e Ele tem cuidado de mim durante todo esse tempo”, enfatiza.

 

A Grandeza do Senhor…

Até mesmo o seu nome tem uma relação forte com seu testemunho. Segundo Mehdi, o nome árabe significa “Aquele que estava na escuridão e viu a luz”. “Minha intenção é abençoar a igreja brasileira, demonstrando o poder transformador do Evangelho, assim como encorajar os irmãos a valorizar a liberdade de pregar e viver o Evangelho de Jesus em seu país e entre os muçulmanos. Se Deus pega um muçulmano e faz dele uma nova criatura, por que não pode usar você que já o conhece para falar Dele a outras pessoas que estejam na mesma situação? A soberania do Senhor é imensa e não tem como dimensionar a Sua grandeza”, destaca.

Perguntado se imagina como estaria a sua vida caso não conhecesse a Jesus, ele disse que sempre reflete: “Se Jesus não viesse salvar nossas vidas e nos chamar pela graça Dele, o que seria de nós? Nenhuma pessoa teria a certeza da Salvação! Sem Cristo, a vida não tem sentido”, acredita.

 

Um recado especial…

Ele deixa uma mensagem especial para a Revista Paz e seus leitores: “Que Deus dê muita paz, graça sobre graça! Espero que a Revista Paz continue fazendo a diferença nesta cidade e fora dela… chegando em vários lugares! Que Jesus seja glorificado através de cada edição e seus leitores sejam abençoados! Jesus é tudo: Ele é o meu pastor… penso sempre: Jesus nunca me faltará! Jesus: pois com Ele, somos completos! Ele é a razão da esperança e deve significar tudo em nossas vidas”, finaliza.

Capa

Continuar Lendo
1 Comentário

1 Comentário

  1. Andrea

    24 de agosto de 2019 em 05:17

    Louvo a Deus . Todo os dias pela vida de mehdi, pois verdadeiramente foi previlegiado. E saiba que oro pelo pais marrocos. Para Deus entrar com providências e sei que algo vai acontecer em martocos em breve. Graça e paz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Capa

Para o Topo